Mãe

Domingo é dia de cozinhar dançando ao som de “Zeca Baleiro canta Zé Ramalho”. Dois Zé´s cantadores, letras e ritmos que me provocam e ao mesmo tempo me seduzem. Voz forte e pontuada, unha pintada, acordeon de fundo dando o tom das cenas e sentimentos que se sucedem alucinados na minha mente insana. Melhor presente de domingo, qualquer domingo.

Sim, só que hoje não. Hoje, meu marido está pilotando as panelas. Porque hoje é dia das mães… quanta bobagem. Essas datas comerciais realmente me incomodam.

  • Se eu ganhar um bom presente hoje serei solícita e prestativa ao longo do ano?
  • Se os filhos forem bonzinhos hoje vale pelo resto do tempo?

Todos os dias o sol nasce para bandidos e mocinhos igualmente. Distribui a sua energia sem pudor, sem julgamento, sem escolher quem vai receber, na abundância infinita da natureza. Marcar uma data para ser generoso… isso me incomoda. Na realidade, para mim, isso só tem valor se, nos demais dias, for mais ou menos parecido. Se for válido apenas nessas 24h… tô fora! É palhaçada, é enganação, é para inglês ver, é fake.

“… Eu entendo a noite como um oceano que banha de sombras um mundo de sol… “

Recentemente a maternidade revelou muitas intensidades na minha família, sem a generosidade materna costumeira, com muitas restrições… Tema delicado em mim no momento. Não dá vontade de comemorar à moda antiga familiar, com todo mundo junto.

“.. Num peixe de asas eu quero voar…”

Passar o dia de pijama, só com o Zeca cantando, minhas meninas e só. Já que as cascas de antigas feridas foram abertas, prefiro ficar no meu canto a lamber os machucados para cicatrizar na minha energia solar, no ritmo da canção. Luz e sombra.

“… Fechar a ferida que só cicatriza na beira do mar… “

Tanto tempo e tanto estudo e ainda me flagro a gerar expectativas… Desperdício. Muito a aprender nessa vida. Muito a aprender.

De momento, gratidão por todas as mães que passaram antes de mim, possuidoras desse título ou disfarçadas de tias, primas, amigas e amigos… O princípio feminino que acolhe, coloca no colo, silencia pode vir em tantas roupas diferentes.

Publicado por Denise Fracaro

Sou uma pessoa que não cansa de estudar, em busca constante de autoconhecimento, com imenso prazer em compartilhar seus achados para o benefício de todos os seres. Além de blogar, trabalho com terapias quânticas usando diversas técnicas e dou cursos e workshops.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: