A cura é possível?

Pensar em curar algo implica em que existe algo de errado conosco. Curar o quê? Qual seria o objetivo final, ter saúde? Sim, saúde é fundamental, o resto a gente corre atrás, não é? Afinal, o que seria saúde?

Saúde segundo o dicionário Aurélio seria “o estado do que é são, robustez, vitalidade.” Assim de simples.

Cura segundo o mesmo senhor Aurélio é a “recuperação da saúde, ato ou efeito de curar”.

Definições como essas não ajudam muito. Quando procuramos por sinônimos de saúde, encontramos detalhes que ajudam mais: “Força física: 1 vigor, força, vitalidade, rigidez, robustez, energia, resistência. Boa disposição física e mental: 2 felicidade, conforto, satisfação, segurança, tranquilidade, aconchego, comodidade, bem-estar, contentamento, alegria, disposição.

Interessante ver aqui aparece a palavra ‘mental’… Então, se a saúde não é só uma questão física, também é meta-física! A mente também pode ser saudável ou não. Caso precisemos de ajuda para cuidar disso, temos os psiquiatras. Como sinônimo de saúde, aparecem alguns conceitos delicados que podem ter uma conotação muito específica para cada pessoa como, por exemplo, ‘felicidade’ e ‘satisfação’.

Satisfação para mim é bem diferente de satisfação para você ou para uma criança de cinco anos. Satisfação para mim, hoje, é bem diferente do que era há 20 anos atrás. O mesmo ocorre com os conceitos de conforto, contentamento, bem-estar…

E o lado emocional, que nem foi mencionado pelo famoso dicionário, quem dá suporte nessa área? Nossos queridos psicólogos e terapeutas de diversas linhas.

Na realidade, somos pessoas inteiras, não é possível separar exatamente o físico do emocional ou do mental. Sem mencionar ainda o lado espiritual…

Vou usar uma analogia que vi numa aula do meu mestre Reiki, Johnny de Carli:
vaso
Num vaso de vidro, colocamos pedras até encher – elas representam o nosso corpo físico, o mais denso. Depois, acrescentamos areia. A areia procura espaço entre as pedras e se acomoda. A areia faz o papel do nosso corpo emocional. Em seguida, despejamos água. A água se infiltra por entre as pedras e a areia e preenche espaços que nem percebíamos. Ela representa o nosso corpo mental. E ainda temos o ar, o quarto item que permeia todos os anteriores, está presente na água, na areia e nas pedras e ainda pode ser insuflado no vaso porque certamente haverá espaço para ele. O ar representa o nosso corpo espiritual.

Uma analogia simples usando elementos básicos à disposição de todos. Em cada um desses corpos, há diferentes níveis. Mas o que gostaria de salientar é que todos eles são inter dependentes em nós – um não existe sem o outro. E cada um deles influencia os demais o tempo todo. Você não pode ser só um corpo físico, sem emoções e sem mente, menos ainda sem espírito. Quando o espírito deixa um corpo, mesmo que ele esteja perfeitamente saudável, ele perece. O alento divino é o que nos dá a vida a todos.

Os elementos usados, pedra, areia, água e ar preenchem o vaso mas ainda são tudo. Podemos aplicar nos componentes acima cargas de energia elétrica, magnetismo, calor ou radiação. Todas essas formas de energia afetariam os elementos no vaso e a relação entre eles. Todas essas formas de energia estão o tempo todo espalhadas pelo ambiente onde vivemos, na casa, no trabalho, nas escolas…

Esses corpos entrelaçados influenciam uns aos outros de forma que a cura pode ter início do físico para o espiritual ou ao contrário: do mais sutil para o mais denso, do espiritual para o físico.

Cuidar de uma parte em separado é o trabalho dos especialistas – muitas vezes funciona muito bem, mas nem sempre.

Assim o conceito de saúde que mais me agrada seria:

“Saúde é um estado de harmonia que permeia o ser em todos os seus níveis,
nos corpos físico, mental, emocional e espiritual.”

Esse ser pode ser humano ou não, pode ser a sua planta, sua iguana. A cura ou o retorno a esse estado de harmonia, pode ser buscada sempre que nos desviamos desse equilíbrio. Cada ser é um conjunto complexo e multi dimensional e pode e deve ser tratado como tal.

Por onde começar? Por onde dói mais? Nem sempre…  Quando a dor é física, fica evidente a necessidade de ajuda.

Quando a dor é emocional ou indefinida, nem sempre conseguimos ver o melhor caminho e, por vezes, fugimos desesperadamente para o lado oposto. Pode acontecer de  buscarmos em várias partes sem sucesso ou com satisfação parcial, temporária e seguimos buscando…

Na busca, vamos trilhando o caminho do autoconhecimento, o nosso caminho. Cada passo é um passo importante, mesmo que pareça não ‘dar em nada’. Apurando a percepção, vemos que os entraves e ‘o nada’ tem muito a dizer.

O que mais é possível?

2 comentários em “A cura é possível?

  1. Olá, Gostei de visitar sua página. Creio na nossa força interior, nosso “Deus” dentro de nós. Somos o que pensamos e conforme atuamos em todos os universos que convivemos. Influenciamos ou nos deixamos ser influenciados. Nossas ações, nossas escolhas. Grande abraço. miriancarmignan.wordpress.com Buscando Sol

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s